Acupuntura é um tratamento seguro?

A Acupuntura é um procedimento seguro e apresenta baixa ocorrência de complicações. Contudo, trata-se de um procedimento invasivo realizado em regiões do corpo próximas de vasos sanguíneos, nervos e órgãos, logo, a segurança da Acupuntura é maior quando praticada por profissionais qualificados e treinados para o diagnóstico das doenças e para a aplicação das agulhas.

A segurança em um tratamento esta primeiramente no diagnóstico que levou a sua indicação e na capacidade técnica de quem o executa. Para a Acupuntura isto não é diferente. A indicação do uso de acupuntura dependerá de um bom diagnóstico clínico e a definição dos pontos e a precisão das aplicações dependerão da qualificação técnica e do treinamento do médico acupunturista. Assim o primeiro item de segurança para começar um tratamento por acupuntura é a escolha do profissional. As complicações com aplicação de acupuntura costumam ser pouco freqüentes e com baixo potencial de gravidade. Contudo, há lesões que podem vir a comprometer a vida do paciente como, por exemplo, nos casos de perfuração do pulmão (pneumotórax). A mais freqüente complicação da aplicação da acupuntura esta na perfuração de pequenos vasos sanguíneos superficiais com a formação de hematomas sob a pele, o que não chega praticamente a ser uma complicação, pois em torno de sete dias a lesão desaparece como nas contusões ou pancadas que apresentam um hematoma, sendo o incômodo mais estético, pois raramente podem gerar outros desdobramentos.

Na lista de complicações, porém raras, entre outras ocorrências ainda estão a neurite, a lesão de órgãos, a perfuração de artérias com a formação de coleções sanguíneas, infecções de pele, inflamações e necrose da orelha e mal estar durante a aplicação. Como contra-indicações, absolutas ou relativas, à Acupuntura, podemos dizer que são poucas, como por exemplo:
* Punção no local de feridas abertas, de acnes, queimaduras, sinais, tumores e regiões cutâneas com infecção;
* Punção do abdômem gravídico;
* Punção na genitália e nos mamilos;
* Punção do globo ocular;
* Punção das fontanelas em crianças.

Estatisticamente as complicações com a aplicação da Acupuntura são baixas, sendo muitos os benefícios do uso desta terapia o que vem levando a cada dia mais pessoas procurarem o tratamento por Acupuntura. Além disso, por não usar medicamentos e sim estimular o organismo a se equilibrar a Acupuntura tem sido procurada por pacientes que desenvolveram efeitos colaterais ou complicações ao uso de medicações e por aqueles que buscam tratamentos com planos terapêuticos singulares e com abordagem integral e solidária ao ser humano.

O bom conhecimento da anatomia humana e suas variações, a prática qualificada e supervisionada na formação profissional, o conhecimento estruturado da medicina e da Acupuntura e a atualização profissional constante, são condições importantes para evitar complicações no exercício da Acupuntura. Desde 1995 o Conselho Federal de Medicina reconhece a Acupuntura como especialidade médica. Para tornar-se especialista em Acupuntura o profissional médico deve após concluir os seis anos de faculdade, submeter-se a no mínimo dois anos em curso de especialização em Acupuntura ministrado por instituições reconhecidas pelo Colégio Médico de Acupuntura. Após a conclusão do curso de especialização o profissional realiza a prova de Título de Especialista ministrada pela Associação Médica Brasileira através do Colégio Médico de Acupuntura. Esta prova inclui questões teóricas e práticas e demonstra se o profissional possui suficiência para o exercício da especialidade.Assim, na área médica há um rigor na qualificação dos profissionais com Título de Especialista em Acupuntura o que permite dizer que os profissionais qualificados com este título foram avaliados por instituições idôneas, respondem eticamente e são fiscalizados pelos Conselhos Regionais de Medicina, dando maior segurança aos pacientes.

Outro aspecto relevante quando se trata de complicações é a necessidade de diagnóstico clínico das doenças. A Medicina Tradicional Chinesa proporciona através da coleta da história de vida do paciente e do exame físico uma avaliação diagnóstica sobre o estado energético do paciente e das condições dos desequilíbrios em curso. Contudo, estamos no século XXI onde a medicina ocidental esta bastante desenvolvida tanto em recursos diagnósticos quanto em tratamentos. Assim, o bom senso demonstra que profissionais qualificados possam formular hipóteses diagnósticas também no âmbito da medicina ocidental, solicitar exames quando necessários e decidir frente a um diagnóstico o plano terapêutico dos pacientes que poderá muitas vezes, por exemplo, envolver a Medicina Chinesa – Acupuntura associada ou complementando tratamentos medicamentosos e com ações de saúde realizadas por múltiplos profissionais.

Ainda, vale considerar que por ser um procedimento invasivo a aplicação de acupuntura deve ser realizada em condições sanitárias adequadas. Atualmente esta indicado o uso de agulhas descartáveis tornando mais prático e seguro o tratamento. Apesar de serem raras as ocorrências de complicações com o uso de agulhas não descartáveis utilizadas sempre no mesmo paciente, há trabalhos demonstrando a ocorrência de infecções de pele denotando a existência do risco, principalmente nos pacientes idosos e imunodeprimidos. A legislação sanitária brasileira classifica as agulhas como “produtos médicos”, invasivo, de uso único e com prazo de utilização transitório (Resolução RDC nº 185, de 22/10/2001, Anexo I, itens 12 e 13), assim as agulhas de acupuntura são classificadas como Classe II (Risco Médio) devendo estar sempre esterelizadas para evitar as complicações. Outro aspecto de higiene sanitária esta nas condições do estabelecimento de saúde que deve apresentar alvará da vigilância sanitária demonstrando que possui condições adequadas de funcionamento para a aplicação da Acupuntura.

Em conclusão a acupuntura é um procedimento bastante seguro e que traz muitos benefícios aos pacientes, sendo muito importante que seja praticada em local e com materiais adequados, por um profissional médico com boa formação e treinamento para o diagnóstico das doenças e para a aplicação das agulhas, tornando baixo o risco de complicações.