SOBRE ACUPUNTURA

O que é Acupuntura?

A Acupuntura é parte integrante da Medicina Tradicional Chinesa, cuja técnica de tratamento consiste basicamente na inserção de agulhas através da pele e nos tecidos subjacentes, em pontos específicos do corpo, os pontos de acupuntura, produzindo efeito terapêutico. Os pontos de acupuntura podem também ser estimulados por pressão, emissão de calor, estímulos elétricos e lasers.

A milenar Medicina Tradicional Chinesa compõe-se de um acúmulo de conhecimentos baseados na observação dos fenômenos da natureza e na compreensão dos princípios que regem a harmonia nela existente, permitindo entender que o universo e o ser humano estão sob as mesmas influências. Desta forma, pressupõe que os fenômenos que ocorrem na natureza atuam no funcionamento do corpo humano. Assim, direciona os processos terapêuticos buscando harmonizar o corpo e a mente, tendo uma visão holística do ser humano. Possui diversos métodos terapêuticos tais como a dietoterapia, o uso de ervas medicinais (fitoterapia), massagens energéticas como Tui-Na, exercícios tipo TAI-CHI-CHUAN, o Treinamento Interior e o uso da ACUPUNTURA, o mais difundido e utilizado entre eles.

A palavra acupuntura é derivada do Latin (“acus”: agulha e punctio: punção) e os registros históricos mostram que as antigas agulhas chinesas datam da era Neolítica (há mais de 4.000 anos) e seu uso acompanha o desenvolvimento da Medicina Tradicional Chinesa. A acupuntura utiliza agulhas, aplicação de calor (moxas), laser e outros instrumentos em locais anatomicamente definidos como pontos de acupuntura. A aplicação da Acupuntura tem por objetivo prevenir, atenuar e curar doenças através da aplicação e manipulação de agulhas que são introduzidas em pontos específicos do corpo humano atuando no organismo através da aceleração dos processos regenerativos, da normalização das funções orgânicas de regulação e controle, da modulação da imunidade, da promoção de efeitos analgésicos e antiinflamatórios, da harmonização das funções endócrinas, autonômicas e mentais. Para isso, o médico acupunturista entrevista, examina e avalia clinicamente o paciente e define a indicação ou não do uso da Acupuntura em cada caso. Uma vez indicada, o médico acupunturista estabelece um conjunto de pontos para aplicação, uma freqüência para as sessões de acupuntura e uma estimativa de tempo de duração do tratamento. Ainda, avalia a necessidade da solicitação de exames complementares, realiza orientações gerais quanto à alimentação e outras condutas do paciente conforme cada situação e analisa a necessidade de atendimento conjunto por médicos especialistas e outros profissionais da saúde, buscando estabelecer um plano terapêutico para o atendimento integral às necessidades do paciente.

No Brasil, a Acupuntura foi reconhecida como especialidade médica em agosto de 1995, e está inserida no SUS desde o ano de 1988.

O que pode ser tratado pela Acupuntura?

A acupuntura é um método de tratamento que pode ser utilizado na promoção da saúde e bem estar, na prevenção e no tratamento de doenças.

Embora o uso da Acupuntura seja mais conhecido para o controle da dor, há uma gama de doenças nas quais ela vem sendo utilizada com sucesso. Todavia, como a Acupuntura harmoniza e equilibra as pessoas, cuidando com abordagem integral da saúde e permitindo uma vida mais longa e saudável, muitas pessoas hoje procuram o consultório médico de Acupuntura para promoção do bem estar físico e mental frente ao stress da vida moderna.

Em 1979, a Organização Mundial de Saúde (OMS) listou várias doenças indicadas com bom resultado pelo uso da Acupuntura:

Doenças do Trato Respiratório:
Sinusite aguda; Rinite aguda; resfriado comum; Tonsilite aguda; Afecções bronco-pulmonares; Bronquite aguda; Asma brônquica.

Doenças Oftalmológicas:
Conjuntivite aguda; Retinite central; Miopia (em crianças); Cataratas (sem complicações)

Distúrbios da cavidade bucal:
Odontalgias; Dor pós-extração dental; Gengivites; Faringites agudas e crônicas.

Distúrbios Gastrintestinais:
Espasmos de esôfago e cárdia; Soluços; Gastroptose; Gastrite aguda e crônica; Hiperacidez gástrica; Úlcera duodenal crônica; Colites agudas e crônicas; Disenteria bacteriana aguda; Constipação; Diarréia; Íleo paralítico.

Distúrbios Ortopédicos e Neurológicos e Clínica de Dor:
Cefaléias; Enxaqueca; Neuralgia do trigêmeo; Paralisia facial; Paralisia Pós-AVC; Neuropatia periférica; Síndrome de Meniere; Disfunção neurogênica da Bexiga Urinária; Enurese noturna; Neuralgia intercostal; Periartrite escápulo umeral; Epicondilite lateral (cotovelo de tenista); Dores Ciáticas; Lombalgias; Artrite Reumatóide; Lúpus Eritematoso Sistêmico; Trigemialgias; Fibromialgia; Distensões Musculares.

Psiquiatria:
Distúrbios leves e moderados de Depressão, Angústia, Ansiedade e Insônia.

Clínicas Diversas:
Labirintite; Prisão de Ventre.

Ginecologia:
Distúrbios Menstruais; Infertilidade; Dismenorréia; Amenorréia; Metrorragia; Menorragia.

Estética:
Marcas de expressão; Rugas; Flacidez; Bolsas Sub-Oculares; Suavização de Estrias e Celulites; Enrijecer seios e nádegas.

Outros Benefícios:
Aumento da vitalidade e energia.
Redução do estresse e maior relaxamento.
Rejuvenescimento da pele.
Controle do peso.
Livrar-se do fumo, álcool e drogas.
Aumento das funções físicas e atléticas.
Controle de dor.
Regularidade dos batimentos cardíacos e pressão sangüínea.
Estabilização do sistema imunológico

Dezoito anos após a publicação da lista de indicações da OMS, em 1997, o National Institutes of Health (NIH), nos EUA, promoveu uma Conferência Internacional para estabelecimento de um consenso científico sobre as indicações da Acupuntura, baseado em pesquisas científicas internacionais com alto nível de evidência. Esta Conferência listou algumas doenças como sendo cientificamente, beneficiadas pela Acupuntura:

Doenças indicadas pelo NIH: lombalgia, náusea pós-cirurgia ou pós-quimioterapia e gravídica, dor dentária pós-procedimentos, reabilitação de acidente vascular cerebral, dor de cabeça, cólicas menstruais;

Doenças em que a Acupuntura é não menos efetiva que outros tratamentos com altos índices de efeitos colaterais: cotovelo de tenista, síndrome do túnel do carpo, fibromialgia;

Doenças em que a Acupuntura é indicada pelo NIH, mas em conjunto com outro tratamento: asma e dependências químicas;

A Medicina Tradicional Chinesa indica o uso da Acupuntura para cerca de 350 doenças e além das indicações oficiais, muitas outras doenças vêm sendo atendidas com bons resultados nos consultórios médicos de Acupuntura: enxaqueca, tendinites, ciática, artroses, síndrome do cólon irritável, tensão pré-menstrual, sintomas da menopausa, ansiedade, stress, irritabilidade, depressão, distúrbios do sono, esquecimento, imunodrepressões, infertilidade, doenças e seqüelas neurológicas, alergias e outras.

Mesmo com esta lista de situações onde podemos utilizar a Acupuntura como tratamento, a avaliação médica é fundamental para o estabelecimento do diagnóstico correto e do tratamento. Com freqüência, o uso de outras formas de tratamento como medicações e cirurgias, é indispensável. Por isso, a importância de consultar um médico acupunturista.

Acupuntura é um tratamento seguro?

A Acupuntura é um procedimento seguro e apresenta baixa ocorrência de complicações. Contudo, trata-se de um procedimento invasivo realizado em regiões do corpo próximas de vasos sanguíneos, nervos e órgãos, logo, a segurança da Acupuntura é maior quando praticada por profissionais qualificados e treinados para o diagnóstico das doenças e para a aplicação das agulhas.

A segurança em um tratamento esta primeiramente no diagnóstico que levou a sua indicação e na capacidade técnica de quem o executa. Para a Acupuntura isto não é diferente. A indicação do uso de acupuntura dependerá de um bom diagnóstico clínico e a definição dos pontos e a precisão das aplicações dependerão da qualificação técnica e do treinamento do médico acupunturista. Assim o primeiro item de segurança para começar um tratamento por acupuntura é a escolha do profissional. As complicações com aplicação de acupuntura costumam ser pouco freqüentes e com baixo potencial de gravidade. Contudo, há lesões que podem vir a comprometer a vida do paciente como, por exemplo, nos casos de perfuração do pulmão (pneumotórax). A mais freqüente complicação da aplicação da acupuntura esta na perfuração de pequenos vasos sanguíneos superficiais com a formação de hematomas sob a pele, o que não chega praticamente a ser uma complicação, pois em torno de sete dias a lesão desaparece como nas contusões ou pancadas que apresentam um hematoma, sendo o incômodo mais estético, pois raramente podem gerar outros desdobramentos.

Na lista de complicações, porém raras, entre outras ocorrências ainda estão a neurite, a lesão de órgãos, a perfuração de artérias com a formação de coleções sanguíneas, infecções de pele, inflamações e necrose da orelha e mal estar durante a aplicação. Como contra-indicações, absolutas ou relativas, à Acupuntura, podemos dizer que são poucas, como por exemplo:
* Punção no local de feridas abertas, de acnes, queimaduras, sinais, tumores e regiões cutâneas com infecção;
* Punção do abdômem gravídico;
* Punção na genitália e nos mamilos;
* Punção do globo ocular;
* Punção das fontanelas em crianças.

Estatisticamente as complicações com a aplicação da Acupuntura são baixas, sendo muitos os benefícios do uso desta terapia o que vem levando a cada dia mais pessoas procurarem o tratamento por Acupuntura. Além disso, por não usar medicamentos e sim estimular o organismo a se equilibrar a Acupuntura tem sido procurada por pacientes que desenvolveram efeitos colaterais ou complicações ao uso de medicações e por aqueles que buscam tratamentos com planos terapêuticos singulares e com abordagem integral e solidária ao ser humano.

O bom conhecimento da anatomia humana e suas variações, a prática qualificada e supervisionada na formação profissional, o conhecimento estruturado da medicina e da Acupuntura e a atualização profissional constante, são condições importantes para evitar complicações no exercício da Acupuntura. Desde 1995 o Conselho Federal de Medicina reconhece a Acupuntura como especialidade médica. Para tornar-se especialista em Acupuntura o profissional médico deve após concluir os seis anos de faculdade, submeter-se a no mínimo dois anos em curso de especialização em Acupuntura ministrado por instituições reconhecidas pelo Colégio Médico de Acupuntura. Após a conclusão do curso de especialização o profissional realiza a prova de Título de Especialista ministrada pela Associação Médica Brasileira através do Colégio Médico de Acupuntura. Esta prova inclui questões teóricas e práticas e demonstra se o profissional possui suficiência para o exercício da especialidade.Assim, na área médica há um rigor na qualificação dos profissionais com Título de Especialista em Acupuntura o que permite dizer que os profissionais qualificados com este título foram avaliados por instituições idôneas, respondem eticamente e são fiscalizados pelos Conselhos Regionais de Medicina, dando maior segurança aos pacientes.

Outro aspecto relevante quando se trata de complicações é a necessidade de diagnóstico clínico das doenças. A Medicina Tradicional Chinesa proporciona através da coleta da história de vida do paciente e do exame físico uma avaliação diagnóstica sobre o estado energético do paciente e das condições dos desequilíbrios em curso. Contudo, estamos no século XXI onde a medicina ocidental esta bastante desenvolvida tanto em recursos diagnósticos quanto em tratamentos. Assim, o bom senso demonstra que profissionais qualificados possam formular hipóteses diagnósticas também no âmbito da medicina ocidental, solicitar exames quando necessários e decidir frente a um diagnóstico o plano terapêutico dos pacientes que poderá muitas vezes, por exemplo, envolver a Medicina Chinesa – Acupuntura associada ou complementando tratamentos medicamentosos e com ações de saúde realizadas por múltiplos profissionais.

Ainda, vale considerar que por ser um procedimento invasivo a aplicação de acupuntura deve ser realizada em condições sanitárias adequadas. Atualmente esta indicado o uso de agulhas descartáveis tornando mais prático e seguro o tratamento. Apesar de serem raras as ocorrências de complicações com o uso de agulhas não descartáveis utilizadas sempre no mesmo paciente, há trabalhos demonstrando a ocorrência de infecções de pele denotando a existência do risco, principalmente nos pacientes idosos e imunodeprimidos. A legislação sanitária brasileira classifica as agulhas como “produtos médicos”, invasivo, de uso único e com prazo de utilização transitório (Resolução RDC nº 185, de 22/10/2001, Anexo I, itens 12 e 13), assim as agulhas de acupuntura são classificadas como Classe II (Risco Médio) devendo estar sempre esterelizadas para evitar as complicações. Outro aspecto de higiene sanitária esta nas condições do estabelecimento de saúde que deve apresentar alvará da vigilância sanitária demonstrando que possui condições adequadas de funcionamento para a aplicação da Acupuntura.

Em conclusão a acupuntura é um procedimento bastante seguro e que traz muitos benefícios aos pacientes, sendo muito importante que seja praticada em local e com materiais adequados, por um profissional médico com boa formação e treinamento para o diagnóstico das doenças e para a aplicação das agulhas, tornando baixo o risco de complicações.

Acupuntura dói?

A sensação percebida pela aplicação das agulhas de Acupuntura é rápida e de pequena intensidade, sendo comumente não dolorosa devido ao pequeno diâmetro (0,25 mm) da agulha e à técnica de inserção. Logo, acupuntura não deve ser dolorosa e sua aplicação é muito bem aceita pelos pacientes.

A tensão emocional de alguns pacientes associada ao medo do agulhamento relacionado à aplicação de injeções (geralmente na infância onde a injeção é um castigo: “Se não se comportar vai tomar injeção !”), costuma ser a principal causa geradora do medo que leva alguns pacientes a não procurarem a Acupuntura. Na consulta inicial o profissional médico deve abordar o assunto com o paciente explicando a diferença da aplicação de Acupuntura em relação às injeções, mostrando que nas injeções o calibre da agulha é muito maior, a técnica de aplicação é diferente e que além da perfuração há injeção de líquido contendo a medicação, fatores que não ocorrem na Acupuntura. Ainda, deve sugerir que o paciente tenha uma primeira experiência com uma ou duas agulhas antes do início do tratamento, evitando ansiedade excessiva e dando tranqüilidade ao paciente que percebe como a Acupuntura não é dolorosa. É importante saber também, que como os pontos de Acupuntura são locais de concentração de terminações nervosas, a região dos pontos tende a ser mais sensível, principalmente se o ponto encontra-se em desequilíbrio devido ao adoecimento do paciente. As pessoas possuem sensibilidade dolorosa em diferentes graus e esta sensibilidade é influenciada pelo estado emocional, pelas experiências anteriores de dor e pela integridade das estruturas transmissoras de estímulos no organismo, logo, algumas pessoas podem ser ou estar mais sensíveis a pequenos estímulos. Algumas vezes, o posicionamento da agulha próxima a estruturas nervosas ou na superfície da pele pode causar desconforto e nesta situação deve-se informar o médico para que o mesmo proceda com a correção da inserção da agulha, cessando imediatamente a sensação de incômodo.

Após a inserção da agulha poderá ocorrer sensação discreta de peso local, choque elétrico, formigamento ou irradiação que são momentâneas, pouco freqüentes e consideradas normais, pois representam a ativação das terminações nervosas pela acupuntura.

Acupuntura funciona para todos os pacientes?

Não, há um pequeno percentual de pacientes que não respondem ao estímulo da Acupuntura. Além de fatores genéticos que podem interferir nos mecanismos de ação da Acupuntura, o uso de medicações com corticóides ou com betabloqueadores, bem como diagnóstico e/ou tratamento não adequados, ou indicações inapropriadas podem levar à falha do tratamento.


O que é Aurículoacupuntura?

A Aurículoacupuntura ou Acupuntura auricular é a Acupuntura realizada em pontos na orelha. Na Medicina Tradicional Chinesa a orelha é considerada um micro-sistema, ou seja, em sua anatomia são encontrados pontos correspondentes à todas as partes e funções do organismo.

Assim, a técnica de estímulo dos pontos auriculares leva à transmissão de impulsos aos órgãos e sistemas correspondentes permitindo harmonizar o paciente. Pequenas agulhas são aplicadas e deixadas na orelha num período de 7 a 14 dias. Nos últimos anos temos adotado o uso de pequenas sementes (mostarda ou vacaria) fixadas por esparadrapo ou micropore, para manter o estímulo. As sementes têm se mostrado eficazes e com baixa ocorrência de alergias ou inflamações locais. A técnica é bem aceita por adultos e crianças e permite que o paciente seja tratado deitado, sobre a maca, sentado ou mesmo em pé permite a interação com outras técnicas e sugere. A Auriculoacupuntura pode ser usada isoladamente ou concomitantemente a outras técnicas, em especial para as situações onde o médico deseja manter o estímulo da Acupuntura após as sessões, nas fases de manutenção de tratamento, bem como de forma complementar nos tratamentos para vícios e obesidade, e para a simples manutenção da saúde frente ao estresse do dia-a-dia de pessoas agitadas.